“Capão Bonito, aí está a Santa Casa, patrimônio beneficente, que hoje, graças a Deus, constitui um verdadeiro monumento, como perene orgulho de todos nós”.

Cônego Luiz de Almeida Moraes, Assembléia geral da Santa Casa, em 1949.

Tudo começou com pessoas da sociedade, que perceberam a importância em se ter um Hospital na Cidade, evitando assim a locomoção dos nossos munícipes para outras cidades da região, afim de receber socorro médico.

Em 1934, criou-se uma Comissão, na qual podemos citar: João Arruda, Nagib Ozi, Virgílio Lírio de Almeida, Abílio Mendes, Francisco Cacciacarro, Júlio de Souza Galvão, João Venturelli, João Aleixo Vaz, entre outros, com a finalidade de arrecadar fundos, e adquirir terreno. Sendo que, logo após esse passo, foi fundando legalmente esta entidade, nascendo assim, em 08 de agosto de 1936, a Santa Casa de Misericórdia de Capão Bonito, conforme constava em seu primeiro Estatuto.

A comissão permaneceu firme no propósito de tornar esta Santa Casa uma realidade, continuou arrecadando fundos ai então para construção do tão sonhado hospital. Em 1942, tendo a frente o Padre João Moderiano, é lançada a 1º pedra fundamental e já em 1943, sob o comando do seu primeiro provedor Cônego Luiz de Almeida Moraes, foi inaugurado o prédio da Santa Casa.

Os serviços médicos eram prestados pelos Drs. Eugênio Vaz Sampaio e Cid de Mello Almada. A enfermagem entregue a Madalena Maria e Luiza Ozório. A partir de 1950, a administração interna da Santa Casa é feita pelas Irmãzinhas Imaculada Conceição, sob orientação da Superiora Irmã Vicentina, posteriormente pela Irmã Assunção. Em 1957, com transferência do Cônego Luiz, chega a Capão Bonito, o Cônego  Pedro José Maria Vieira, o qual ficou sob o comando da provedoria da Santa Casa por 13 anos, mudando o rumo da Entidade, com adequação e ampliação do Hospital.

Em seguida, assume a provedoria, Francisco Hermínio de Almeida, Chico Primo como é conhecido, com o apoio do cônego Pedro, foi responsável pela construção da nova ala da Santa Casa, com muito sacrifício, nas dependências do terreno da Santa Casa, construiu um hospital moderno para os padrões da época, sendo o primeiro prédio da cidade.

Em 1982, assume Flori Cordeiro,  concluindo o centro cirúrgico. E instala o Pronto Socorro na ala nova. A partir daí, enfrentamos muitas dificuldades tantos outros provedores vieram, como o Sr. Paulo Medeiros André, Sr. Mikio Miyada, Sr. Donizeti Cacciacarro, e em 1998, sob o comando do Dr. André Luiz Luengo, começa uma nova fase, de recuperação financeira da Santa Casa, já que na ultima década tinha a Santa Casa mergulhado em sérios problemas financeiros em razão da política deficitária do SUS, bem como a profissionalização da administração da Santa Casa e em continuidade a esse trabalho, estiveram a frente da Provedoria, os Senhores João Carlos Alves, Pedro Donizetti dos Santos, João Antonio Machado, Sérgio Antonio Borgatto, Carlos Alberto Bertoni,  Marco Henry Cacciacarro e atualmente Antonio Osmar de Oliveira, que tem a honra de comemorar os 72 Anos da nossa Santa Casa.

Ao longo desse 72 anos, seria impossível se tivesse que nominar um a um as pessoas que colaboraram com a Santa Casa, pois são milhares, porem graças a esses milhares de colaboradores que podemos fornecer hoje o perfeito conforto a todos que buscam a sombra amiga e carinhosa da Santa Casa.

Hoje a Santa de Casa de Misericórdia de Capão Bonito é uma realidade, graças à colaboração de pessoas benfeitoras mantem um Hospital com 100 leitos, distribuídos nas clinicas médica, cirúrgica, obstétrica, pediátrica e ortopédica, onde atende aproximadamente 350 internações por mês, e ainda possui um Pronto Atendimento que atende cerca de 6000 mil pessoas por mês. Pra atender ao citado, apresenta no seu corpo clinico e plantonistas, um quadro de 40 médicos, 185 funcionários em nível técnico e de apoio.

Aos poucos a Santa Casa de Capão Bonito, vai se tornando referência em sua região, conta com uma maternidade de alto nível, um pronto socorro salvador, enfim, a cada dia mais a Santa Casa vai cumprindo sua missão, que é prestar assistência médica e hospitalar, sem distinção de raça, cor, credo, condição social ou partido político, enfim, a todos que necessitam de imediato socorro.

Fontes Pesquisadas:
Ata de Reuniões e Assembléias;
Artigos publicados em jornais locais sobre a Santa Casa;
Pesquisa popular.